Atelier internacional analisa tendências dos impactos das mudanças climáticas nos Pequenos Estados Insulares

picodeantonia

Cidade da Praia, 26 Set (Inforpress) – Cabo Verde acolhe entre os dias 20 e 30 de Setembro, um atelier internacional para analisar as tendências dos impactos das mudanças climáticas nos Pequenos Estados Insulares em desenvolvimento e promover a partilha de conhecimentos sobre adaptação às mudanças climáticas.

Maurícias, Seychelles, Maldivas, Guiné-Bissau, União de Comores e Haiti, são os países que, juntamente com Cabo Verde, vão estar reunidos no “Atelier Internacional para os Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento – Iniciativas Comunitárias de Adaptação às Mudanças Climáticas – SIDS CBA”, a ter lugar num dos hotéis da Cidade Velha.

Organizado pelo Programa de Pequenas Subvenções do Fundo Mundial para o Ambiente às Organizações da Sociedade Civil (GEF SGP), em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Ministério da Agricultura e Ambiente, o evento será uma oportunidade para aos participantes reflectirem sobre as recomendações preliminares de uma avaliação a meio percurso do SIDS CBA.

Segundo a organização, para além de se analisar as tendências dos impactos das mudanças climáticas, o atelier vai servir ainda para examinar os resultados das iniciativas comunitárias SIDS CBA , financiadas até ao momento e como esses projectos criaram consciência e apoiaram actores locais dos diferentes países na adaptação aos impactos e variabilidades das mudanças climáticas.

Em Cabo Verde, o GEF SGP apoiou, entre 2011 e 2015, 72 projectos comunitários, num valor total de 1.800 mil dólares destinados ao apoio a cinco iniciativas comunitárias de adaptação nas ilhas de Boa Vista, Santo Antão, Santiago e Brava, sendo que deste montante, 120 mil dólares provem do Governo australiano, através do Departamento de Relações Exteriores e Comércio (DAFT).

O objectivo do programa SIDS CBA em Cabo Verde consiste em promover a gestão sustentável e integrada dos recursos naturais, enquanto melhora a resistência dos meios de subsistência das comunidades vulneráveis e as capacidades de adaptação às Mudanças climáticas.

O reforço das capacidades de organizações da sociedade civil vulneráveis para apoiarem as comunidades a se adaptarem aos efeitos das mudanças climáticas e assegurar que as iniciativas de adaptação contribuam para as prioridades e políticas nacionais, é outro objectivo do referido programa.

O programa “Iniciativas Comunitárias de Adaptação às Mudanças Climáticas” (SIDS CBA em inglês) foi criado pelo DAFT e GEF SGP, em 2009, com um financiamento de 12,4 milhões de dólares, visando melhorar a resiliência das comunidades locais em 42 países, muitos dos quais pequenos Estados insulares em desenvolvimento.

A justificação para estas iniciativas é a de que esses estados são particularmente vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas devido à sua pequena superfície, susceptível a desastres naturais, isolamento geográfico, recursos naturais limitados e ecossistemas sensíveis.

É neste sentido que o programa pretende reduzir a vulnerabilidade e aumentar a capacidade de adaptação de comunidades locais aos efeitos adversos das mudanças climáticas, dotar os países com experiência concreta básica de adaptação local às mudanças climáticas e disponibilizar lições claras às políticas relevantes, integrar o programa nos processos nacionais e aumentar em escala as práticas.

A sessão de abertura do “Atelier Internacional para os Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento – Iniciativas Comunitárias de Adaptação às Mudanças Climáticas – SIDS CBA” está marcada para terça-feira, 27, pelas 09:00 e será presidida pelo ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva.

Fonte: http://www.inforpress.publ.cv/ambiente